sábado, 1 de novembro de 2008

Pingos de amor

Passado suave, feliz, sem amarguras revivi nessa manhã chuvosa. Deixei que as águas frias vindas do céu lavassem os meus cabelos. Meu rosto refletia a felicidade de uma menina travessa tentando segurar os pingos. Hoje, por uma fração de segundos, consegui.
E o encanto desse momento me jogou no passado, quando nos ensopamos pela primeira vez de mãos dadas, abraçados, os pingos grossos teimando em entrar nas nossas bocas, misturando-se á saliva do prazer dos nossos beijos sem intenção de desfazer a quentura dos nossos corpos sedentos de amor. Pelo contrário.
Expulsou os banhistas para que pudéssemos usufruir, sem testemunhas, daquele momento mágico, onde nossas respirações ofegantes, entrecortadas pertencessem somente a nós dois.Nossos murmúrios de prazer só seriam compartilhados com as gaivotas que sobrevoavam inquietas imaginando o que estávamos fazendo, estavámos fazendo amor.
Certamente que nem todas as chuvas me farão lembrar aquela tarde inesquecível. Hoje foi uma adorável lembrança de um momemto que nunca esquecerei e foi especial porque não houve amargura.Amei ter lembrado nós dois.

2 comentários:

Zélia Maria Freire disse...

Que bom encontrar você aqui,e poder tomar conhecimento de um momento tão íntimo e tão feliz vivido por você e a pessoa que ama . Dizem que recordar é viver , então viva minha querida esse momento através de sua lembrança, principalmente por não lhe trazer tristeza e sim uma doce recordação.

sementes diárias disse...

Lindas recordações de momentos tão lindos de vocês dois! isso faz bem! um beijo,chica